terça-feira, 27 de outubro de 2009

A Ruiva de Bertioga.

ruiva_linda_gata_gostosa



















Essa é a história da perda da minha inocência.Eu era um rapaz que não sabia o que era a maldade no mundo.Que escrevia cartinha para a mãe e colava na porta da geladeira com imã.Que ficava vermelho quando via uma menina de biquíni.Que ia todo domingo a Igreja Que…enfim,era um bobão.Até que…

Estávamos eu o Renato e o Anderson morgando em São Paulo quando o Anderson teve mais uma de suas brilhantes idéias:

-Ei,vamos acampar em Bertioga.
-Mas nós nem temos barraca.
-Não dá nada.Lá é cheio de cavernas,entramos em uma e ficamos.

Eu e o Renato deveríamos ser lesados já naquela época,porque concordamos com essa idéia esdruxula.Para nossa sorte conseguimos uma barraca emprestada no último minuto.A barraca é uma piada a parte porque “aquilo” não pode ser chamado de barraca.Hoje em dia tem umas que você joga para cima e ela já cai armada,mas a nossa para montar requeria uma equipe de engenheiros da NASA,sem contar que os primeiros homens a sair da caverna devem ter usado aquela mesmo barraca,de tão velho que era.

Chegando na cidade descobrimos que para chegar na praia teríamos que atravessar de balsa.Opa,lá se foi nosso dinheiro.Só ficamos com o dinheiro para voltar.Não tinha importância,porque dentro de nossas mochilas tinha mais miojo que nas prateleiras de um hipermercado.Depois de um perrengue enorme para chegar na praia finalmente aterramos na praia mais legal que já vi na vida.Totalmente deserta,bem pequena,cercada de pedras pelos dois lados e pela mata atrás.Valeu a pena.

Como já disse a barraca era do tempo da pedra e não estávamos conseguindo montá-la.Em outra barraca tinha mais uns caras e uma menina de cabelos vermelhos.Linda de morrer.Que se prontificaram a nos ajudar.Depois de umas duas horas conseguimos.

Essas pessoas eram Paulistanos de um grupo de teatro infantil que fumavam mais maconha do que o Bob Marley.Era um negrão gay,um cara muito estranho,que eu acho que também era gay e um maluquinho baixinho que,bom,também era gay.E tinha essa menina ruiva,que não era gay,mais era tarada.

Lá pelo meio da tarde meus amigos e os outros caras resolveram explorar as matas da região,coisa de paulistano que nunca vê mato na vida.E eu como sou mais esperto me abstive de entrar no meio do mato com 3 gays.A ruivinha quis ficar também e nos metemos na barraca para “conversar”.Vale a pena dizer que eu tinha 14 anos e ela devia ter uns 20,no mínimo.A menina me atacou e começou a me beijar e …é,ela TIROU MINHA INOCÊNCIA!!!!!

Pois é.Poucas pessoas tem a sorte de perder a virgindade com uma menina linda,em uma praia paradisíaca.Eu tive.Morram de inveja.  :)

19 comentários:

  1. Bom, eu diria que vc foi mesmo sortudo. apesar de eu não sentir inveja, rsss.

    mas achei muita fofura a foto dos dois rapazes sentados com uma cara de tristeza que só vendo, especialmente o de coturno..hahaha

    ResponderExcluir
  2. História inspiradora... Nossa, o que eu disse? Tu é doido, mas você já sabe disso! Haha...

    Beeijos!

    ¹ Quando eu tiver o meu grupo de teatro não quero fumar maconha

    ² Tem selo lá no meu blog! =D

    ResponderExcluir
  3. Depois de tanta história trash, você contar que foi desvirginado por uma ruivinha linda fica até inverossímel...

    ResponderExcluir
  4. Ai, ai, Você esqueceu de contar, que quando chegou a casa estava doente...
    ou
    A menina ruiva, era ele, depois de decepada (?)...

    ou
    Quando acordou, estava no sei leito, enterrado nos lençois, em sua casa.
    Tudo não tinha passado de um sonho.
    :- Sou mauzinho?
    Estou brincando com você...
    Um abraço, vou voltar

    ResponderExcluir
  5. Maravilha. Tu 14 ela 20... Que lindo. Aqui tem um que foi o inverso. Ele tinha 20 e ela ... 60. Virgem (ela). Signo de Virgem. Era uma prostiputa mais rodada que taxi de rodoviária. Não dá pra dizer que ela tirou a virgindade do nosso amigo, ela estuprou ele. O fudido ficou tão traumatizado que hoje em dia evita tudo que tenha mais que 15 anos. Vive no limite da irresponsabilidade (se comer uma de 13 vai em cana...). Taradón.

    ResponderExcluir
  6. feinho...sei...nem achei.hahah

    hum...é..não é auto-biográfico.
    ninguem-me-ama-ninguem-me-quer.rs

    Um beijo Ricardo.

    ResponderExcluir
  7. hauhauahuahuahuah
    Só tu mesmo , fim de semana em Bertioga , com um monte de loko tudo doido de erva e ainda gay hauhauahuauah (nada contra hein cada um com seus problemas ) !!!
    Pode até ser que se tenha tido sorte em ter a primeira vez com uma ruiva gata , e nifonmaníaca , mas te digo que há controvérias kakakakakakakak

    bjusssssssss

    ResponderExcluir
  8. Eu não fiquei com inveja não. Nem queria...tá, só a parte da praia.

    ResponderExcluir
  9. Olha, essa se história fosse verdadeira você teria inaugurado o blog com ela, tem algo ai mal contado kkkk

    Abraços, Tha das Desassistidas

    ResponderExcluir
  10. Hehehhe,olha se eu fosse contar tudo vocês achariam que minha vida é uma ficção.

    ResponderExcluir
  11. Legal, gostei! Vc teve sorte mesmo! E numa praia paradisíaca!
    Conta mais então!!!
    Adoro as tuas histórias!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. Então quer dizer que foi com uma ruiva né chicuta rsrs ...

    Bom parabéns sortudo mesmo , mas tb Não tenho inveja . =p

    Beeijos

    ResponderExcluir
  14. Ah essa tú não me contasse.Safadooooooooooo!!!!!!!

    ResponderExcluir
  15. powwwwwwww
    e os pormenores? queremos saber os detalhesss
    kkkkkkkkkkkkkkk

    ao que vc responderá:
    isso aqui não é blog de sacanagem, aninha!
    kkkkkkkkkkkk

    tá bem, vai.
    vou morrer curiosa.

    besosss

    ResponderExcluir
  16. Ah fala sério, é verdade essa história Chicuta?? Só falta dizer que a ruiva era tipo a Elektra ou a Joss Stone, daí mesmo tu vira meu ídalo.

    ResponderExcluir
  17. Eu acho que acabasse gastando toda a sorte de primeira, kkkk!

    ResponderExcluir
  18. Falta agora a versão dos teus amigos que foram pros matos com os gays...kkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir

Fala que eu te escuto.